Nova fase da campanha "Para e Pensa" estreia na TV e na web neste mês

"Eu Assumo" vai trazer depoimentos de homens - famosos e anônimos - reconhecendo episódios de machismo que cometeram

Neste mês de setembro, a gente inicia mais uma fase da campanha "Para e Pensa - A desigualdade de gênero também é problema seu". Em parceria com a Plan International, a campanha pretende aquecer o debate sobre a desigualdade de gênero, não só entre as mulheres mas entre toda a sociedade, chamando a atenção para o fato de que este é um problema de todos.

Na nova fase, intitulada "Eu Assumo", homens — famosos e anônimos — foram convidados a dar depoimentos com confissões sinceras de atitudes e pensamentos machistas/sexistas que já tiveram. Entre os nomes conhecidos, estão: Paulo Miklos, Di Ferrero, Fred Desimpedidos, Cauê Moura, Rômulo Delgado (Homem em Construção) e Rafa Vieira (De Férias Com o Ex).

Além disso, mulheres também darão seus depoimentos sobre vezes em que reproduziram esta mesma mentalidade sexista em suas falas ou atitudes. A ideia é que todos se responsabilizem e conscientizem o público do quão nocivo é este comportamento.

Os depoimentos irão ao ar na TV e nas redes sociais.

Confira trechos de algumas falas:

Quais atitudes anti-machistas você se compromete a fazer daqui pra frente?

"O primeiro princípio é não atrapalhar. É parar de fazer piada, não menosprezar o esporte feminino. Conheço muitos homens que nunca assistiram a um jogo de futebol feminino e falam que é sem graça", Fred Desimpedidos.

"Romper a maneira de fazer sempre as mesmas coisas. Aquilo de estar sempre entre os homens, com os brothers. É justamente o que leva a essa situação de exclusão", Paulo Miklos.

Lembra de alguma ocasião em que você foi machista?

"Há um costume aqui no Carnaval do homem se vestir de mulher. E eu vi que quando eu me fantasiava de mulher era de uma maneira pejorativa. Eu não estava sendo um aliado da igualdade de gênero. Eu estava colocando mais fogo e alimentando o patriarcado", Rômulo Delgado.

"Eu era machista pra caramba e não percebia. Eu falava a real para não iludir. Dizia: não vou ficar junto, só estou curtindo... E a menina me perguntou: porque você está falando isso? Você acha que eu quero ficar junto? Na hora, mudou uma chavinha na minha cabeça", Di Ferrero.

Já fez algo machista de que se arrependeu?

"Eu tenho toda certeza de que já reproduzi muita injustiça e já falei muita merda. Aliás, todos os meus vídeos de 2014 para trás, eu tirei do ar pra não ter que filtrar tanta coisa - porque eu sabia que era coisa demais. E eu parei de divulgar esse passado, parei de passar para frente", Cauê Moura.

"Já disse frases que, se eu me escutasse hoje em dia, seria o primeiro a me repreender. Por exemplo, 'nada contra, eu só não curto afeminado'. A mesma coisa em relação à transfobia. Já fui transfóbico no passado, antes de ampliar minhas visões. Já cheguei a tecer elogios 'nossa, mas você é linda, nem parece trans', como se a pessoa parecer trans fosse algo negativo", Rafa Vieira.